Antiquário virtual

Nem só de futuro vivem as tecnologias digitais. Se o e-book se apropria das características de um suporte físico (o livro, com capa, folha de rosto e páginas) para tentar superá-lo, outros softwares caminham no sentido inverso. A ideia é recuperar as características antigas, do passado, numa lógica que não é utilitária: é apenas nostágica, naquela mescla de estética e afetividade que venho mencionando com certa frequência (aqui, aqui e aqui). É como se fossem fornecedores de antiquários virtuais, para quem não pode colecionar objetos físicos. O gosto pelo retrô e o vintage, contudo, é o mesmo.

Para iPod Touch, iPhone e iPad, a coleção de antiguidades é vasta. Na App Store, podem ser encontradas, por exemplo, máquinas de escrever  (no alto) como a miTypewriter para os todos os brinquedinhos (grátis na versão Lite para iPhone e US$ 0.99 para ambos).  Há também vários walkmans para tocar as músicas armazenadas no iPod e gravadores de fita cassete. Exemplos são o Thas’s My Jam (acima, à esq.) e o Retro Recorder (US$ 0.99 cada um) – este último, para memos e ditados, se gaba inclusive de gravar em mono. Não faltam também, obviamente, pick ups para “tocar” vinis, como o Gramophone (acima, à dir.), que custa US$ 0.99. Na versão 1.1, ele traz a “novidade” de reproduzir os ruídos e as imperfeições dos antigos aparelhos. Tudo em nome do realismo — ou da perfeita ilusão.

Mas há mais. Aplicativos de fotografia como o Shakelt (grátis na versão Lite e US$ 0.99) foram desenvolvidos não só para aplicar a luz de  uma polaroid  às fotografias tiradas digitalmente como também  para reproduzir a “revelação” da imagem, que vai surgindo aos poucos na tela (esse aí do lado sou eu, vadiando nas últimas férias). O dono do iPhone ou do iPod Touch também pode mesmo chacoalhar o aparelho para a foto ir aparecendo mais rapidamente, como antigamente. Outros programas, bem conhecidos, aplicam todos os tipos de filtros e imperfeições — fotos verdes, roxas, granuladas…

A lista é grande: há calculadoras, despertadores analógicos, telefones de discar, rádios… Para iPad, há até um aplicativo, o Jamboxx (abaixo, à esq.), que imita aquele som “portátil” (os boom boxes) que os camaradas grudavam na orelha e carregavam por aí atormentado os inocentes nos ônibus.

Imagino que, no futuro, quando os e-books multimídia tiverem dominado a face da Terra, alguém vai recuperar um e-reader mais pobrinho entres os atuais, juntando uns PDFs de capa, folha de rosto e páginas, imitando o objeto que, então, terá desaparecido. Ou não?

8 comentários

  1. Eu particularmente, adoro objetos nesse estilo Vintage, o antigão mesmo.
    Acho tudo mais charmoso. Nos últimos meses ganhei minha “Remington 150”, a antiga máquina de datilografar, hoje é meu xodó! .)

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.