Elias Canetti is using Twitter

Comentei, em outra ocasião, que a vida de leituras pode levar a associações improváveis, às vezes com destinos curiosos. Agora, em parte motivado por Julian Barnes e Nabokov (aqui), em parte por Carpinejar (e aqui), chego a Sobre a Morte, de Elias Canetti (Estação Liberdade, 160 págs., R$ 35), recentemente lançado no Brasil.

Em sua grande maioria, o livro reúne pensamentos curtos que o escritor resolveu anotar, aleatoriamente, para “ajudar o homem a se defender da morte”. “Eu não posso deixar que essa guerra passe sem forjar no meu coração a arma que dominará a morte”, escreveu no dia 15 de fevereiro de 1942, numa Europa já tomada pela Segunda Guerra Mundial. E Canetti não parou mais, continuando nessa tarefa até sua própria morte, em 1994.

Sua ideia era, justamente, que tais frases permanecessem como fragmentos. Nada teria sido mais útil para o escritor, como todas essas intenções, do que a internet. Muitas frases, inclusive, parecem ter sido feitas à medida para o twitter – algo que pode ser visto nessa pequena amostra abaixo (clique na imagem para ir para a página).

Elias Canetti

(Publicado em 6/11/2009)

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.