Quem é que se entende?

Dois velhos conhecidos deste blog se conversam — e talvez se entendam. Acima, Elizabeth Taylor (sempre espetacular) e Richard Burton no comecinho de Quem Tem Medo de Virginia Woolf? (1966), filme de Mike Nichols adaptado da peça de Edward Albee; abaixo, o judeu sefardita-búlgaro-inglês-suíço Elias Canetti em Karl Kraus, Escola de Resistência, texto que está no volume de ensaios A Consciência das Palavras (Companhia de Bolso, 328 págs., R$ 25).

Graças a Karl Kraus comecei a compreender que cada indivíduo  tem uma configuração linguística própria, que o distingue de todos os demais. Compreendi que embora os homens falem uns com os outros, não se entendem; que suas palavras são golpes que ricocheteiam nas palavras dos outros; que não existe ilusão maior do que a opinião de que a língua é um meio de comunicação entre humanos. Fala-se com a outra pessoa, mas de uma maneira que ela não entende. Continua-se a falar, e ela entende ainda menos. Um grita, o outro grita também: a exclamação, que tem uma vida miserável na gramática, apodera-se da língua. Como bolas, as exclamações saltam para lá e para cá, chocam-se e caem no chão. Raramente algo do que se diz consegue-se infiltrar no outro; e, quando isso afinal acontece, é entendido às avessas.”

(Publicado em 18/11/2011)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.