Cinco fatos sobre o beijo

os-amantes-magritte

Passado o capítulo das focas e dos gibões de Richard Dawkins em A Grande História da Evolução, outro livro traz números sobre o nosso comportamento e funcionamento. Trabalhando entre os campos da cultura e da herança evolutiva, o americano Chip Walter apresenta fatos, números e algumas hipóteses sobre o que nos diferencia dos outros animais em Polegares e Lágrimas (Record, 320 págs., R$ 54,90). Walter é essencialmente um jornalista, daí que é necessário entender que ele não possui o rigor científico de Dawkins, baseando-se, sem contestar, em algumas pesquisas isoladas. No que se refere a estatísticas, entretanto, a confiabilidade aumenta.

No que se refere ao beijo, por exemplo, pode-se dizer que:

  1. É um sucesso, mas não é universal: quase 90% da humanidade beija – o que significa que cerca de 650 milhões de pessoas, por razões culturais, não beija. É mais do que as populações de todos os países do planeta, exceto China e a Índia.
  2. É uma droga: durante o beijo, são liberadas ondas dos neurotransmissores norepinefrina, dopamina e feniletilamina, que se ligam aos receptores do prazer no cérebro. Ela geram as mesmas sensações de euforia que as pessoas têm quando riem, fazem exercícios físicos ou tomam drogas como cocaína e heroína.
  3. É complexo e trabalhoso: qualquer movimento de lábios coloca para trabalhar 30 músculos, e, de 12 nervos cranianos que afetam a função cerebral, cinco entram em ação durante o beijo.
  4. Faz bem: o beijo na boca reduz a probabilidade de perda dos dentes, alivia o estresse, queima calorias e aumenta a autoestima.
  5. O beijo faz mal: estima-se que um único beijo de boca possa trocar 278 espécies de bactérias e vírus. Muita gente não gosta de lembrar disso.

3 Replies to “Cinco fatos sobre o beijo”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.