O mundo colorido de Sebald

Sebaldcor

Semana passada, prometi voltar a Sebald, mostrando outras cores combinadas espalhadas nas muitas descrições de sua obra. Como o último trecho daquele post (clique aqui para ler) evidenciava, a paleta vai muito além do cinza. Para começar, o amarelo-ouro e o verde-musgo citados naquele post:

sebald1sebald2

O verde, aliás, merece um parêntese. Em Austerlitz:

“A certa altura, fiquei parado um bom tempo da entrada de uma casa, disse Austerlitz, olhando no teto um alto-relevo embutido no reboco liso sobre o fecho de abóbada do arco, um molde que não media mais que um metro quadrado e mostrava, contra um pano de fundo verde-mar estrelado, um cachorro azul com um galho na boca que, como me pressenti me arrepiando até a raiz dos cabelos, ele trazia do meu passado.”

Verde-água:

sebald3

Ainda no verde, há ainda tons como:

Verde-jade:

sebald4

Verde-ervilha:

verde_ervilha

Com o vermelho, tons de cabelo:

Castanho-avermelhado:

sebald6

Rubro-dourado:

sebald7

Mas, de todos, o trecho mais ilustrativo – e colorido – de Sebald aparece em Os Emigrantes:

“As mais adoráveis das jovens senhoras apareceram por último, as primícias da estação, por assim dizer, com vestidos de renda pelos quais a seda de suas roupas de baixo lampejavam, verde-nilo, vermelho-camarão ou azul-absinto”.

Na ordem:

sebald8sebald9sebald10

É isso: um mundo bem mais complexo do que as cores genéricas poderiam mostrar.

(Publicado em 21/06/2009)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.